Menu

Portal FOP - Unicamp

Av. Limeira, 901 - Bairro Areião
CEP: 13414-903 - Piracicaba - SP

.

A+ A A-

Faça Parte da Equipe do Cepae

  • Publicado em Cepae


O que é Cepae?

O Cepae é uma unidade de pesquisa e serviço vinculada à Área de Psicologia Aplicada da FOP–Unicamp, que desenvolve programas de atenção precoce à saúde.

A sua atuação visa não somente a prestação de serviços à comunidade e a produção e divulgação de conhecimento científico, mas também a capacitação de profissionais de saúde para a atuação junto ao paciente.

Por meio do seu Programa de Atenção Precoce à Saúde, o Cepae oferece atendimento interdisciplinar preventivo e curativo para crianças de 0 a 60 meses de idade e desenvolve pesquisas em nível de iniciação científica e pós - graduação.

A atuação no Cepae é uma oportunidade para o profissional apreender noções de trabalho em equipe interdisciplinar e de estratégias para manejar o paciente e seu responsável, visando a adesão às orientações fornecidas. É importante ressaltar que experiência em atuação interdisciplinar tem sido uma constante solicitação de empresas privadas e órgãos públicos na contratação de pessoal.

Voltar ao topo da página


Que pessoas podem fazer parte da equipe?

O Cepae aceita inscrições de profissionais e de alunos de graduação das seguintes áreas:

  • Odontologia
  • Psicologia
  • Nutrição
  • Fonoaudiologia
  • Psicopedagogia

Para inscrição de profissionais de outras áreas de saúde, solicitar informação por e.mail: cepae@fop.unicamp.br.

Voltar ao topo da página


Para fazer parte da equipe, preciso ter experiência?

Não é exigido do candidato à vaga o conhecimento pleno sobre aleitamento materno e sobre outros assuntos relacionados com o cuidado da gestante e da criança, uma vez que o profissional passará por treinamento e receberá orientação sobre aspectos específicos de sua atuação.

Entretanto, para atuar no Cepae, é necessário demonstrar:

  • Interesse em aprimorar seus conhecimentos, por meio de leitura e estudo de textos científicos, do contato com profissionais de outras áreas e da participação em cursos, palestras e reuniões de treinamento e padronização da equipe;
  • Habilidade para trabalhar em equipe, respeitando os colegas e os supervisores, trocando conhecimentos e contribuindo para o crescimento e a harmonia do grupo;
  • Entusiasmo para atuar, basicamente, de forma preventiva, com um público formado por mães e crianças de 0 a 5 anos de idade;
  • Iniciativa, responsabilidade e vontade de aprender.

Voltar ao topo da página


Como é a preparação da equipe?

A preparação da equipe interdisciplinar para a atuação no Cepae tem início no mês de outubro anterior ao ano de início do estágio. Assim, ao passar pelo processo seletivo, que acontece no mês de setembro de cada ano, o profissional selecionado recebe o chamado “Material Educativo”, composto por textos e artigos científicos, protocolos de atendimento clínico, cópias das palestras oferecidas aos pacientes e as orientações em áudio e vídeo sobre o conteúdo das palestras.

Após esta etapa de estudo, os profissionais se reúnem na última semana de janeiro ou na primeira semana de fevereiro do ano seguinte, para dar início às atividades de treinamento e integração da equipe. Durante esta “Semana de Treinamento”, ocorrem diversas atividades tais como aulas teóricas, discussão de casos clínicos, simulação de atendimentos, apresentação de parte das palestras pelos novos membros da equipe, a fim de se avaliar sua performance e conduzir o treinamento específico em algumas habilidades, além de provas teóricas e dinâmicas de grupo. Nesta semana, cada profissional recebe um documento contendo as normas e regulamentos do Cepae, além de todas as datas de reuniões de calibração da equipe, seminários, feriados, atividades extraordinárias, etc.

Na semana seguinte, há o início das atividades, sendo que os novos profissionais da equipe são inseridos no serviço de maneira gradual, sempre com o amparo do supervisor e dos membros mais antigos e treinados da equipe.

Ao longo do ano, são realizados 4 encontros com a equipe toda, visando não somente o orientação de aspectos específicos da atuação dos profissionais mas também estimular a sua integração, uma vez que cada equipe atua em um dia da semana e não tem contato com os demais integrantes do Cepae (a cada dia da semana, há uma equipe composta por 1 dentista supervisor clínico, 3 a 5 dentistas estagiários, 1 psicólogo, 1 nutricionista e 1 fonoaudiólogo).

Além deste treinamento, há a realização de seminários de estudo. Em reuniões que ocorrem a cada 6 semanas, em seu dia de atuação, cada membro da equipe apresenta um artigo científico, de maneira formal, para os demais membros da equipe e supervisores. O tema é escolhido livremente pelo profissional, respeitando a pertinência com o trabalho desenvolvido pelo Cepae. De preferência, opta-se por artigos que apresentem informações que auxiliem a equipe melhorar a sua atuação com o paciente. Ao final da reunião, cada equipe elabora um documento, a ser entregue à coordenação, contendo um resumo geral sobre as informações mais importantes discutidas no dia e/ou com sugestões para implantação de novos serviços e/ou alteração naqueles que já estão em andamento.

Outra forma de estudo, troca de informação e treinamento ocorre por meio de aulas teóricas ministradas por professores convidados, internos ou externos à FOP, que trazem sua valiosa contribuição para o aperfeiçoamento da equipe.

Voltar ao topo da página


Como é o seminário de estudo?

Para desenvolver os seminários (seis ao longo do ano), cada profissional deverá buscar por um artigo científico que tenha sido publicado em revista com classificação mínima B3 pela Capes. Não serão aceitos artigos com mais de 5 anos de publicação.

O tema deverá, preferencialmente, deve ser de interesse dos demais profissionais da equipe e devem fugir de assuntos técnicos de interesse específico da sua área. Impreterivelmente, os assuntos escolhidos deverão ter relação com os serviços do Cepae.

Os artigos deverão ser impressos pelo estagiário, que anexará a Ficha de Resumo (Modelo abaixo) e entregará à supervisão do dia. Ao final das apresentações, com base no que foi discutido naquele dia, o supervisor coleta as informações que foram geradas pelas discussões e faz um documento, junto com sua equipe, no qual constam as sugestões, críticas e solicitações da equipe, que serão entregues à coordenação.

A apresentação do artigo deverá ser montada em arquivo do Power Point. O tempo destinado a cada apresentação será combinado com a supervisão/coordenação, que fará o cálculo com base no número de profissionais de cada dia.

Modelo de FICHA DE RESUMO

Referência do artigo: autores, título, nome da resvista, etc. Segue um exemplo:

ALLARD, G. & STOKES, T.F. Continuous observation: a detailed record of children’s behavior during dental treatment. J Dent Child, Chicago, 47(4): 246-50, July/Aug. 1980.

Objetivos: Objetivos terminais (o que se esperava comprovar ou investigar com a realização do trabalho; é a pergunta principal do autor.)

Sujeitos: Breve descrição dos participantes, população ou amostra investigada (número de participantes, faixa etária, sexo, etc)

Delineamento: O delineamento é o “plano de vôo”, ou seja, como o autor planeja fazer a investigação científica para responder à sua pergunta sobre o assunto. Podem-se seguir as seguintes questões: Trabalho descritivo ou experimental?; Com grupos ou sujeito único?; Tem grupo controle e experimental?; Tem linha de base?;

Procedimento: é o que o piloto fez para realizar o “plano de vôo”. Descrever como os sujeitos foram utilizados e como o delineamento foi efetivado.

Resultados: Descrever os resultados obtidos e, sem colocar gráficos ou tabelas, dizer principalmente se o pesquisador alcançou ou não os objetivos.

Observações: coisas pessoais: dizer se gostou ou não; qual o fundamento teórico do trabalho; se as referências que o autor pesquisou são atuais; se a revisão da literatura foi bem feita; qual a qualidade do artigo e qual a utilidade do mesmo para o Cepae.

Voltar ao topo da página


Quais são as atividades de cada profissional na equipe?

CIRURGIÃO DENTISTA

Este profissional participa ativamente das seguintes frentes de trabalho, entre outras:

1. Grupo de Incentivo ao Aleitamento Materno Exclusivo (GIAME): atuando no grupo interdisciplinar, o profissional de odontologia participa da orientação das puérperas e ministra palestras, com o intuito de auxiliar a mãe a manter o bebê em aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida, evitando o uso de bicos artificiais e a introdução precoce e inadequada de alimentos na dieta da criança, promovendo, assim, a prevenção de alterações e doenças bucais.

2. Atendimento de Transição à Clínica (ATC): junto com os outros membros da equipe, atua na orientação das mães que concluíram sua participação no GIAME, oferecendo atendimento individualizado, por meio da orientação de dieta, de higiene oral e de hábitos.

3. Atendimento Regular: o dentista atua promovendo prevenção precoce de cárie, doenças gengivais e maloclusão, por meio do atendimento clínico e de orientações, sempre com o respaldo dos demais membros da equipe;

4. Avaliação Fonouadiológica e Ortodôntica: junto com um fonoaudiólogo, investiga alterações ortodônticas e crianças de 42 meses de idade, oferecendo as orientações necessárias para prevenir ou interceptar problemas ortodônticos, de fala, deglutição, mastigação, respiração, etc.

5. Atendimento de Apoio à Clínica: o Cepae recebe crianças com até 36 meses de idade, que não fazem parte do programa regular, acometidas por traumatismos ou cárie, para atendimento emergencial. Nestes atendimentos, o dentista realiza intervenções curativas e orientação preventiva.

6. Outras atividades: participação em grupos de estudo, reuniões de discussão de casos, seminários, etc.; conhecimento sobre atividades de organização e gerenciamento de serviços; participação em confecção de material informativo, oportunidade de atuar em pesquisa, etc. O profissional pode participar de todas as atividades oferecidas pelo Cepae, incluindo o curso de extensão, que é gratuito e permitido somente para o profissional em 3º ano de atuação.

Voltar ao tópico

PSICÓLOGO

Este profissional participa ativamente das seguintes frentes de trabalho, entre outras:

1. Grupo de Incentivo ao Aleitamento Materno Exclusivo (GIAME): atuando no grupo interdisciplinar, o profissional de psicologia participa da orientação das mães (puérperas) e ministra palestras, com o intuito de auxiliar a mãe a manter o bebê em aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida, lidando com as crenças da mãe, na tentativa de aumentar a adesão dela às informações disponibilizadas. O Psicólogo orienta as recém-mães sobre contingências relacionadas à prática do aleitamento materno, sobre ansiedade e depressão pós-parto, etc.

2. Atendimento de Transição à Clínica (ATC): junto com os outros membros da equipe, atua na orientação das mães que concluíram sua participação no GIAME, oferecendo suporte ao atendimento prestado pelo dentista e disponibilizando orientações sobre temas relacionados ao comportamento da criança, auxiliando a mãe a instituir uma rotina saudável para a família.

3. Atendimento Regular: o psicólogo atua auxiliando o dentista a manejar os comportamentos da criança durante o atendimento, oferecendo apoio emocional para a mãe que se mostra ansiosa, participando da orientação da mãe a fim de aumentar sua adesão às informações, oferecendo dicas no sentido de tornar o trabalho mais harmonioso e mais produtivo, na medida em que suas observações podem melhorar a relação profissional-paciente e entre os membros da equipe;

4. Atendimento psicológico: as crianças que apresentam alguma necessidade (comportamento não-colaborador durante atendimento odontológico, por exemplo) e seu cuidador (orientações individuais, nos casos de problemas de adesão às orientações dos profissionais, problemas comportamentais da criança em casa, etc.) recebem atenção deste profissional, por meio de consultas e acompanhamento clínico.

5. Avaliação Fonouadiológica e Ortodôntica: o psicólogo atua, especialmente, com o intuito de aumentar a adesão da mãe e da criança às informações sobre interrupção do uso de chupeta e mamadeira;

6. Atendimento de Apoio à Clínica: o Cepae recebe crianças com até 36 meses de idade, que não fazem parte do programa regular, acometidas por traumatismos ou cárie, para atendimento emergencial. Nestes atendimentos, o psicólogo oferece suporte à família e à equipe para a realização das intervenções curativas necessárias.

7. Outras atividades: participação em grupos de estudo, reuniões de discussão de casos, seminários, etc.; conhecimento sobre atividades de organização e gerenciamento de serviços; participação em confecção de material informativo, oportunidade de atuar em pesquisa, etc. O profissional pode participar de todas as atividades oferecidas pelo Cepae, incluindo o curso de extensão, que é gratuito e permitido somente para o profissional em 3º ano de atuação.

Voltar ao tópico

NUTRICIONISTA

Este profissional participa ativamente das seguintes frentes de trabalho, entre outras:

1. Grupo de Incentivo ao Aleitamento Materno Exclusivo (GIAME): atuando no grupo interdisciplinar, o profissional de nutrição participa da orientação das mães (puérperas) e ministra palestras, com o intuito de auxiliar a mãe a manter o bebê em aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida, evitando a introdução precoce e inadequada de alimentos na dieta da criança. No momento adequado, orienta sobre a introdução de alimentos.

2. Atendimento de Transição à Clínica (ATC): junto com os outros membros da equipe, atua na orientação das mães que concluíram sua participação no GIAME e, nesta fase em que a alimentação complementar, a atuação da nutricionista norteia a definição da dieta da criança e da família.

3. Atendimento Regular: a nutricionista atua auxiliando o dentista a organizar a dieta da criança e orientando diretamente a mãe sobre alimentação.

4. Atendimento Nutricional: As crianças que necessitam, recebem atenção deste profissional, por meio de consultas individuais e acompanhamento clínico. Nestes casos, o nutricionista pode planejar cardápios, sugerir trocas alimentares, etc.

5. Avaliação Fonouadiológica e Ortodôntica: o nutricionista, em especial, auxilia a família a readequar a dieta da criança que faz uso de mamadeira.

6. Atendimento de Apoio à Clínica: o Cepae recebe crianças com até 36 meses de idade, que não fazem parte do programa regular, acometidas por traumatismos ou cárie, para atendimento emergencial. Nestes atendimentos, o nutricionista oferece orientação de dieta à família.

7. Outras atividades: participação em grupos de estudo, reuniões de discussão de casos, seminários, etc.; conhecimento sobre atividades de organização e gerenciamento de serviços; participação em confecção de material informativo, oportunidade de atuar em pesquisa, etc. O profissional pode participar de todas as atividades oferecidas pelo Cepae, incluindo o curso de extensão, que é gratuito e permitido somente para o profissional em 3º ano de atuação.

Voltar ao tópico

FONOAUDIÓLOGO

Este profissional participa ativamente das seguintes frentes de trabalho, entre outras:

1. Grupo de Incentivo ao Aleitamento Materno Exclusivo (GIAME): atuando no grupo interdisciplinar, o profissional de fonoaudiologia participa da orientação das puérperas e ministra palestras, com o intuito de auxiliar a mãe a manter o bebê em aleitamento materno exclusivo até o 6º mês de vida, evitando o uso de bicos artificiais, sobre o desenvolvimento da fala e da audição entre outras informações, promovendo, assim, a prevenção precoce de alterações fonoaudiológicas.

2. Atendimento de Transição à Clínica (ATC): junto com os outros membros da equipe, atua na orientação das mães que concluíram sua participação no GIAME sobre interrupção do uso de chupeta e mamadeira, sobre as fases de desenvolvimento em relação à fala e audição, etc.

3. Atendimento Regular: o fonoaudiólogo atua no sentido de diagnosticar precocemente alguma alteração e orienta a mãe e a dentista sobre como agir em cada situação específica;

4 . Avaliação Fonouadiológica e Ortodôntica: junto com um dentista que investiga alterações ortodônticas, faz a avaliação fonoaudiológica, oferecendo as orientações necessárias para prevenir ou interceptar problemas de fala, deglutição, mastigação, respiração, etc.;

5. Atendimento de Apoio à Clínica: o Cepae recebe crianças com até 36 meses de idade, que não fazem parte do programa regular, acometidas por traumatismos ou cárie, para atendimento emergencial. Nestes atendimentos, o fonoaudiólogo oferece orientação à família sobre as alterações detectadas.

6. Outras atividades: participação em grupos de estudo, reuniões de discussão de casos, seminários, etc.; conhecimento sobre atividades de organização e gerenciamento de serviços; participação em confecção de material informativo, oportunidade de atuar em pesquisa, etc. O profissional pode participar de todas as atividades oferecidas pelo Cepae, incluindo o curso de extensão, que é gratuito e permitido somente para o profissional em 3º ano de atuação.

Voltar ao tópico

PSICOPEDAGOGO

A atuação do psicopedagogo no Cepae é bastante ampla.

Este profissional atuará na orientação, treinamento e supervisão dos aspectos que estão ligados à formação/educação profissional e pessoal dos demais membros da Equipe do Cepae. Seu trabalho começa com a participação ativa na construção de laços entre os membros da Equipe. O psicopedagogo, juntamente com o psicólogo, deve estar atento a todas as situações de conflito ou ansiedade na equipe, procurando por soluções apaziguadoras. Por meio de observação própria e/ou de consulta à supervisora, deverá elaborar atividades de intervenção (reuniões, dinâmicas de grupo, etc.) a fim de melhorar a interação entre os profissionais da equipe, estimulando o respeito e o trabalho em equipe.

Além de sua contribuição para manter a equipe unida, produtiva e estimulada, este profissional participa ativamente das seguintes frentes de trabalho, entre outras:

  1. 1. Orientação e treinamento da equipe para apresentação de palestras.
  2. 2. Orientação e treinamento da equipe para confecção de material educativo.
  3. 3. Realização de seminários de pesquisa e apresentação de trabalhos científicos.
  4. 4. Participação no desenvolvimento de projetos de pesquisa realizados pelos alunos de pós- graduação vinculados ao Cepae, sob a orientação da coordenadora do Cepae.
  5. 5. Participação em reuniões para avaliação do desempenho profissional da equipe, discussão dos projetos de pesquisa e de casos clínicos.
  6. 6. Investigação, leitura e tradução de textos para elaboração e apresentação de seminário.
  7. 7. Elaboração de material ilustrativo para orientação dos pacientes.
  8. 8. Participação na atualização dos painéis informativos do Cepae, por meio de revisão do material de apoio à equipe para a confecção dos mesmos.
  9. 9. Participação em seminários internos realizados pela equipe do Cepae.
  10. 10. Participação da seleção e treinamentos dos ingressantes.
  11. 11. Participação da organização dos recursos humanos.
  12. 12 Avaliação do clima organizacional e elaboração de projetos de melhoria da qualidade do trabalho e satisfação.
  13. 13. Revisão, manutenção e atualização da pagina in line do Cepae.
  14. 14. Atuação em parceria com outros profissionais da equipe para elaboração, orientação e supervisão dos projetos de Ação Especifica (PAEs).

Voltar ao tópico

Voltar ao topo da página


Qual a carga horária e período de trabalho?

A atuação de cada profissional é de 08 horas semanais, cumpridas sempre no mesmo dia da semana, ao longo de 11 meses (de fevereiro a dezembro).

O horário de funcionamento do Cepae é de Segunda à Sexta-feira das 08:00 às 12:00 e das 13:30 às 17:30. Porém, o profissional deve chegar com, no mínimo, 10 minutos de antecedência em ambos os períodos, para aguardar o paciente e preparar-se para o atendimento, e permanecer até o final do período.

Na última semana de janeiro ou na primeira semana de fevereiro, dependendo do calendário, acontece a Semana de Treinamento da Equipe, com participação obrigatória. Os trabalhos são encerrados 2 semanas antes do Natal.

Há 2 semanas de férias no mês de julho.

Quando o profissional necessitar faltar, ele é responsável por solicitar a um colega que faça a sua substituição. As horas deverão ser repostas.

O desligamento do profissional antes do último dia prevista para o encerramento das atividades e/ou a falta de reposição das horas que porventura tenha faltado, implica em não recebimento do certificado.

Ao longo do ano, são realizados 4 encontros com presença obrigatória de toda a equipe, em horários extraordinários (com datas agendadas no início do ano), visando não somente o orientação de aspectos específicos da atuação dos profissionais, mas também estimular a sua integração, uma vez que cada equipe atua em um dia da semana e não tem contato com os demais integrantes do Cepae (a cada dia da semana, há uma equipe composta por 1 dentista supervisor clínico, 3 a 5 dentistas estagiários, 1 psicólogo, 1 nutricionista e 2 fonoaudiólogo).

Voltar ao topo da página


Qual o período de inscrição?

O Cepae recebe inscrições ao longo de todo o ano, para selecionar a equipe nos meses de setembro e outubro, para início dos trabalhos em fevereiro do ano seguinte.

Voltar ao topo da página


Como faço a inscrição?

Acesse “Ficha de Inscrição”, preencha os dados solicitados e envie por e.mail (cepae@fop.unicamp.br). Você deverá aguardar por uma semana o contato da coordenação para agendamento de entrevista.

Voltar ao topo da página


Como é feita a seleção?

A seleção é feita com base nas informações curriculares contidas na Ficha de Inscrição e, especialmente, na entrevista.

Voltar ao topo da página


Há custos para fazer parte da equipe?

O Cepae fornece todo o material odontológico e de proteção pessoal, equipamentos e instrumental necessário para a atuação do profissional.

Porém, o profissional deve arcar com os custos de:

  • uniforme (jaleco padrão do Cepae de uso obrigatório), cujo valor em janeiro de 2011 foi de R$ 50,00;
  • Seguro contra acidentes pessoais, com cobertura mínima R$ 10.000,00, válido para o período de atuação no Cepae, cujo valor em 2011 foi de R$ 30,00, taxa única anual. (dentistas já são segurados pelo CRO).

Voltar ao topo da página


Como é feita a avaliação do profissional da equipe?

O profissional é avaliado bimensalmente pela supervisão, que fornecerá, de forma individual, as orientações necessárias para o aprimoramento dos trabalhos. A renovação do contrato de permanência ao final de cada ano dependerá do desempenho do candidato, cuja nota constará no certificado. Os profissionais que não apresentarem um bom desempenho ao longo do ano, não poderão renovar o contrato.

O registro sobre os comportamentos dos profissionais será feito todos os dias. Entretanto, as orientações serão transmitidas a cada equipe em seu dia de atuação, nos meses de abril, junho, agosto, outubro e dezembro.

Os itens que serão considerados para esta avaliação serão:

A)Assiduidade: não faltar e, em caso de suma necessidade, organizar sua agenda solicitando a presença de um colega de área;

B)Pontualidade: chegar no horário estabelecido, ou seja, 10 minutos antes de cada período;

C)Iniciativa: realizar tarefas, mesmo aquelas que não fazem parte da sua função, sem que o supervisor necessite solicitar;

D)Busca por conhecimento: mostrar interesse em aprender, por meio da orientação do supervisor, de leitura e da participação em atividades extras;

E)Desempenho da função: ter consciência de suas obrigações e não ficar ocioso quando há paciente sendo atendido;

F)Participação nas tarefas: desempenhar com iniciativa e capricho suas atividades;

G)Relação profissional-paciente: não utilizar termos técnicos e jargões profissionais com os pacientes; demonstrar paciência, empatia e entusiasmo para realização dos atendimentos clínicos e orientação; acolher o paciente e seu cuidador, cuidando de seu bem-estar, acomodando seus pertences, oferecendo cadeira para sentar, percebendo se o paciente está à vontade na situação de tratamento (especialmente nos casos de tratamento curativo);

H)Relação profissional-profissional:

  • quando na supervisão, saber delegar e instruir a realização de tarefas com gentileza, clareza e segurança baseada em conhecimento técnico e teórico; auxiliar sua equipe, realizando o atendimento quando necessário (em caso de falta do profissional ou quando este não sentir-se seguro para a realização da tarefa) mas permitindo sua atuação, oferecendo suporte teórico antes e após o atendimento, fazendo as intervenções necessárias durante a realização do procedimento de forma discreta e gentil; saber reforçar o desempenho de sua equipe; demonstrar tolerância para com os profissionais que necessitam de maior ajuda; saber administrar conflitos; mostrar competência e iniciativa para organizar sua agenda e para coordenar a atuação dos membros de sua equipe; não deixar as dependências do Cepae enquanto houver algum atendimento sendo realizado; saber conduzir os seminários de estudo de forma a discutir o assunto abordado com os serviços prestados pelo Cepae (Observação: o supervisor será avaliado pela coordenação, por meio de consultas à sua equipe);
  • quando em estágio, saber atender a solicitação de seus colegas de equipe e supervisor, ajudando-os em suas tarefas; desempenhar de forma eficiente suas obrigações, não sobrecarregando os colegas; saber lidar com questões pessoais sem que elas interfiram em seu desempenho; ao perceber algo negativo no desempenho do colega ou no andamento dos serviços, caso não possa resolver e ajudar, comunicar de forma particular ao seu supervisor, sem constranger o colega e sem contaminar o humor dos demais com queixas e reclamações;

I)Respeito ao espaço comum: ao usar as instalações do Cepae, cuidar para que não haja desperdícios, perdas e danos ao material utilizado.

J)Seminário de pesquisa: apresentar seu artigo de forma clara, segura, demonstrando preparação; participar da apresentação do colega, prestando atenção e discutindo a relação do assunto abordado com a rotina do Cepae.

Para cada item, será atribuída uma nota que poderá variar de 0 a 10. O seu desempenho final equivale à média das notas e será assim determinado:

  • 9 a 10: Nota A
    Desempenho excelente (possibilidade de renovação do contrato)
  • 7 a 8,9: Nota B
    Desempenho bom (possibilidade de renovação, com ressalvas)
  • 6 a 6,9: Nota C
    Desempenho ruim (não há possibilidade de renovação)
  • Abaixo de 6: Nota D
    Desempenho péssimo (não há possibilidade de renovação)

Voltar ao topo da página

Leia mais ...

Equipe

FUNCIONÁRIOS EM ATIVIDADE

SELMA A. BARBOSA SEGALLA
A técnica de laboratório Selma Aparecida Barbosa Segalla tem formação em ensino fundamental e médio.
Em 1990, foi contratada como técnico de laboratório junto à Área Materiais Dentários, na qual desempenha funções de preparo de materiais para as aulas práticas de graduação, controle da presença e dos trabalhos executados pelos alunos. Nessa atividade também exerce função de secretariado junto aos docentes e alunos de graduação e pós-graduação.

MARCOS BLANCO CANGIANI
O técnico de laboratório Marcos Blanco Cangiani é graduado em Engenharia Mecânica pela Escola de Engenharia de Piracicaba – FUMEP, em 1992.
Em 1994, foi contratado como técnico de nível superior junto à Área Materiais Dentários, desempenhando as funções de ensino e monitoramento dos alunos na utilização dos equipamentos e aparelhos existentes nos laboratórios de Materiais Dentários. Também é responsável pelo desenvolvimento das atividades de pesquisa e funções correlatas dos alunos de graduação e pós-graduação. Nessa atividade também exerce suporte logístico aos docentes da Área Materiais Dentários e demais docentes em atividades de laboratório.
O técnico Marcos Blanco Cangiani obteve o título de mestre em Materiais dentários, em 1998.

DOCENTES APOSENTADOS

LUIS ANTONIO RUHNKE
O Prof. Dr. Luiz Antonio Ruhnke é graduado em Odontologia pela Faculdade de Farmácia e Odontologia de Araraquara, em 1948.
Em 1957 foi contratado como docente pela Faculdade de Farmácia e Odontologia de Piracicaba, pertencente ao Instituto Isolado de Ensino Superior do Estado de São Paulo, com a finalidade de criar, instalar e reger a Disciplina de Tecnologia dos Materiais Dentários e Metalurgia Aplicada à Odontologia.
Exerceu atividades na graduação e pós-graduação, onde participou da formação de recursos humanos voltada para o ensino e pesquisa de materiais dentários.
Participou de funções administrativas, tendo sido Chefe de Disciplina, Chefe de Departamento e Representante MS-6 junto à Congregação.
Como Chefe de Disciplina foi responsável pela criação dos Programas de Mestrado e Doutorado em Materiais Dentários, exercendo também a função de Coordenador do Curso de Pós-graduação em Materiais Dentários.
Exerceu a função de Diretor Associado da Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP.
O Prof. Dr. Luiz Antonio Ruhnke aposentou-se em 1987.

WOLNEY LUIZ STOLF
O Prof. Dr. Wolney Luiz Stolf é graduado em Odontologia pela Faculdade de Farmácia e Odontologia de Piracicaba, pertencente ao Instituto Isolado de Ensino Superior do Estado de São Paulo, em 1961.
Contratado como docente em 1962, obteve o título de Doutor, em 1967, e de Livre Docente, em 1986, na área Materiais Dentários.
Exerceu atividades na graduação e pós-graduação, onde participou da formação de recursos humanos voltada para o ensino e pesquisa de materiais dentários.
Exerceu diversas funções administrativas.
O Prof. Dr. Wolney Luiz Stolf aposentou-se em 1994.

FUNCIONÁRIOS APOSENTADOS

O técnico de laboratório Sidney Barbosa de Souza foi admitido em 1958 para desempenhar as funções de apoio aos docentes e alunos. O servidor Sidney Barbosa de Souza aposentou-se em 1982.

O técnico de laboratório Jorge Alcarde foi admitido em 1963 para desempenhar as funções de no apoio aos docentes e alunos. O servidor Jorge Alcarde aposentou-se em 1982.

A técnica de laboratório Genny Forti foi admitida em 1977 para desempenhar as funções de apoio aos alunos. A servidora Genny Forti aposentou-se em 1995.

O técnico de laboratório Adário Cangiani foi admitido em 1978 para desempenhar as funções de técnico no apoio aos docentes e alunos. O servidor Adário Cangiani aposentou-se em 1993.

Leia mais ...